Gamificação nos ensinos Técnico e Superior

22 de agosto de 2019

Postado por Microsoft Educação em Conteúdos Educacionais, Ferramentas Tecnológicas

#ParaCegoVer: a image mostra duas meninas e um menino olhando para a tela de um notebook. Eles estão sorrindo. Na parte superior aparece a mensagem: Transforme a aprendizagem com o uso da gamificação na sala de aula.

Conheça alguns exemplos de como utilizar usar jogos educativos para engajar seus alunos, independentemente da idade

A evasão escolar continua sendo um dos grandes problemas da educação no Brasil. Segundo dados do Inep, entre 2017 e 2018, somente o Ensino Médio registrou um recuo de 220 mil matrículas. Em pesquisa, o Banco Mundial aponta que uma das principais razões para o abandono é a falta de interesse do aluno.

Uma das soluções para ajudar no desenvolvimento do estudante e atrair sua atenção é inserir tecnologia no planejamento pedagógico. O atual sistema de ensino, considerado ultrapassado por muitos professores, já não possibilita que o estudante avance e adquira competências para ajudá-lo no mercado de trabalho, além, claro, de fazer que com ele se envolva nas disciplinas e trabalhe em colaboração com seus colegas de sala.

Aí é que os jogos educacionais entram em ação! Combiná-los com as atividades do dia a dia faz com que esses estudantes vejam a dinâmica da sala de aula de forma mais atraente, uma vez que estamos lidando com uma geração de pessoas que já nasceram conectadas. O Minecraft: Education Edition é uma das principais plataformas que as escolas estão utilizando justamente com essa intenção. E o melhor de tudo: ele pode ser usado com todas as idades! Confira a seguir duas práticas que você aplicar hoje mesmo com seus alunos.

 

Minecraft: Education Edition no Ensino Superior

Muitos educadores acreditam que o Minecraft: Education Edition só funciona com alunos do Ensino Fundamental ou Médio, mas diversas escolas técnicas e de Ensino Superior estão utilizando a versão educacional do jogo para diversificar suas aulas. É o caso da EMGE – Escola de Engenharia (cliquei aqui para acessar o site da instituição). “Sempre realizo um levantamento com meus alunos sobre os interesses pessoais e as expectativas com a disciplina. Neste semestre, grande parte dos alunos do 1º período do curso de Ciência da Computação demonstrou grande interesse por jogos digitais, e resolvi aproveitar esse interesse para criar o projeto”, explica o professor Cristiano Lacerda, coordenador do curso de Ciência da Computação.

O desafio proposto aos alunos foi a criação de um jogo, utilizando o Minecraft: Education Edition, para demonstrar a história e a evolução dos computadores. Cada grupo ficou responsável por uma geração de computadores e teve a liberdade de definir toda a dinâmica do jogo. Segundo Cristiano, grande parte dos alunos já conhecia bem a plataforma e não teve muita dificuldade em relação a ela: “Assim que lancei o desafio, os alunos ficaram imensamente entusiasmados e motivados, o que resultou em excelentes trabalhos no final do projeto”, ressalta.

 

Minecraft: Education Edition no Ensino Técnico

 Os estudantes e professores das unidades do Senac Rio Grande do Norte (clique aqui e acesse o site da instituição) já utilizam, há algum tempo, o Minecraft: Education Edition no Ensino Técnico, principalmente nas turmas de Aprendizagem Profissional Comercial. “De forma mais abrangente, alocamos no ambiente tridimensional do Minecraft: EE ideias que os alunos criam em relação a arquitetura, engenharia, logística, sustentabilidade, gestão, empreendedorismo e contabilidade”, esclarece Renato Rodrigues, coordenador tecnológico do Senac RN.

Mais do que trazer a gamificação para a sala de aula, a instituição aplica o jogo para que os alunos entendam, na prática, o funcionamento de alguns recursos, além de ser uma plataforma essencial que trabalha a resolução de problemas. No caso da turma do curso de Supermercado e Vendas, os alunos utilizam a ferramenta para entender a relação entre a ocupação de estoquista e a de vendedor. Os conteúdos são definidos para o desenvolvimento de competências e contemplam a escolha e a organização de tipos de almoxarifado (layout), movimentação de carga, normas de segurança do trabalho, medidas de prevenção de acidente, promoção da sustentabilidade à gestão de estoque e inventário.

Alunos do Senac RN apresentando seus projetos durante a aula

 

“Em termos de recepção, os alunos ficam bastante entusiasmados com a ideia de representar suas ideias no Minecraft: EE e convidar outras pessoas para conhecer a criação ou as soluções que geraram para resolver problemas. Também observamos que o ambiente de aprendizagem da plataforma permite que o aluno explore ideias novas e soluções criativas e inusitadas. Aqui, no Senac RN, os professores costumam colocar desafios para incrementar a aula. Um dos exemplos foi a discussão sobre a escolha entre uma geladeira ou máquina para entregar alimentos no nosso refeitório. Os alunos pesquisaram essas opções, mas também foi necessário entender como funcionavam e decidir a mais apropriada. O Minecraft: Education Edition foi essencial para eles em todo esse processo”, exemplifica Renato.

 

Habilidades do século XXI desenvolvidas em sala de aula

 Mais que entender sobre as disciplinas, o aluno precisa ser estimulado com outros recursos para manter o interesse nas aulas. O Minecraft: Education Edition pode ser esse grande aliado da educação, pois, além de ajudar o professor a trabalhar as matérias de forma dinâmica e divertida, a versão educacional do jogo ajuda a trabalhar habilidades essenciais para o aluno, como colaboração, criatividade e pensamento crítico.

“O ambiente dinâmico e colaborativo proporcionado pela ferramenta propiciou um aprendizado mais divertido e consistente aos alunos. Com a proposta de criar um jogo para ensinar sobre a evolução dos computadores, suas habilidades e competências foram trabalhadas nos níveis mais altos”, declara Cristiano Lacerda.

Outro ponto a se destacar é o desenvolvimento do raciocínio lógico e do pensamento computacional. Pensando nas futuras vagas de trabalho às quais esses alunos se candidatarão, a área de TI, por exemplo, oferece muitas possibilidades. Segundo o estudo “The Network Skills in Latin America”, encomendado pela Cisco à IDC, faltarão 449 mil profissionais para preencher vagas abertas na área de TI no fim da década.

Renato Rodrigues conta que esse vem sendo um dos principais benefícios quando a instituição decidiu incluir a ferramenta como parte do dia a dia dos alunos: “Além do desenvolvimento da percepção espacial, os alunos estão mais atentos à questão do raciocínio necessário para o pensamento computacional. Houve significativa melhoria na compreensão de processos, análise, síntese de problemas e na percepção de etapas para resolução de problemas”.

“Trabalhar com o Minecraft: Education Edition foi uma experiência completamente diferente do que eu esperava para um curso de Ciência da Computação. No decorrer do trabalho, fui percebendo o quão legal era criar desafios e contar uma história por meio do jogo. Além disso tudo, uma das partes legais do projeto foi o trabalho em equipe. Sem isso, nosso trabalho não teria sido tão criativo e notado pelo público, fazendo, assim, com que ganhássemos o Workshop de Tecnologia que aconteceu na EMGE”, finaliza Marcelo da Silva de Freitas, aluno do curso de Ciência da Computação da EMGE.

Últimos posts

Tags

Posts Relacionados