Conheça uma nova ferramenta de tecnologia para o aprendizado de programação: o micro:bit

15 de dezembro de 2016

Postado por Microsoft Educação em Conteúdos Educacionais, Tecnologia da Educação

Você sabe o que é um Micro:bit? Antes de explicar sobre a tecnologia em si vamos falar um pouco sobre a necessidade de aprendizado de programação nos dias de hoje. Se alguém perguntar para você se uma criança precisa aprender a escrever, a resposta parece óbvia, certo? Ninguém acha que uma criança possa crescer sem aprender a escrever, mesmo que ela não se torne uma escritora profissional ou jornalista – isso acontece porque a escrita faz parte da vida do ser humano, nos ajuda a pensar, a organizar nossas ideias e a enxergar o mundo de uma forma diferente, ou seja, a escrita é útil em nossas vidas. A ideia é adaptar este mesmo conceito ao aprendizado de programação computacional, por ser uma habilidade útil a ser desenvolvida e que abre possibilidades de aprendizado, mesmo que a pessoa não se torne um programador em sua carreira.

O aprendizado de programação estimula o aluno a trabalhar sua criatividade, curiosidade, raciocínio lógico, resolução de problemas, criticidade, reflexão, interpretação, concentração e interação. Essas habilidades se mostram cada vez mais necessárias atualmente, seja para inserção no mercado de trabalho ou para empreender – o avanço tecnológico e a inserção no cotidiano das pessoas vêm mudando a forma de pensar e de se comunicar, o que aumenta a importância de se entender sobre programação, que é o que move grande parte do que está ao nosso redor hoje.

Nesse contexto, a BBC e a Microsoft criaram, em parceria, o Micro:bit. Trata-se de uma placa (como pode ver na imagem abaixo), que tem a função de um microcontrolador, como um sistema que otimiza processos em que existe a necessidade de interação entre hardware e software. Nele, existe um processador, sensores de acelerômetro, magnetômetro (instrumento utilizado em medidas de intensidade de um campo magnético), conectividade Bluetooth e USB, um display composto por 25 lâmpadas de LED, dois botões programáveis, que pode ser alimentado pela porta USB ou por uma bateria externa. As entradas e saídas do dispositivo são feitas via cinco conectores de anel que fazem parte do conector de borda de 23 pinos. O objetivo principal da criação do dispositivo foi para despertar o interesse nos jovens tanto pela aprendizagem de programação quando para estimular a Cultura Maker – para contar um pouco mais sobre a aplicação na educação, entrevistamos o MIE Fellow, Francisco Tupy, que já vem trabalhando há algum tempo com a tecnologia com seus alunos.microbit

O professor conta que o dispositivo é uma peça muito interessante e atrativa para ser explorada e, à medida que o aluno vai o que pode ser feito com a tecnologia, o interesse evolui e as possibilidades são direcionadas aos gostos pessoais dos estudantes. Como é uma tecnologia de fácil entendimento, segundo o professor, a curiosidade aliada à criatividade consegue dar vida às ideias dos alunos, seja em um projeto simples ou mais complexo.

Para Tupy, o ensino de programação deve ir além de ser uma mera disciplina e/ou repetição de padrões. “A programação em sala de aula tem que servir para estimular os jovens a refletir, expressar suas individualidades e buscar trazer suas contribuições ao mundo. Os estudantes são atraídos por coisas diferentes, porém, o dever do professor é saber converter a curiosidade em processos de saberes para, assim, termos jovens motivados em fazer e criar, produzir conhecimentos contextualizados, fazendo bom uso da tecnologia”, afirma o educador.

O dispositivo ainda não está disponível no Brasil, mas é possível imaginar todas as aplicações e perspectivas que ele trará para as nossas salas de aula. Para conhecer mais, acesse o site oficial.

Últimos posts

Tags

Posts Relacionados