Pular para o conteúdo

4 tendências educacionais para ficar de olho em 2019

30 de novembro de 2018

Postado por Microsoft Educação em Notícias Educação, Tecnologia da Educação


A tecnologia como aliada da educação continuará impulsionado o segmento em busca de melhores resultados de aprendizagem

2018 foi um ano intenso em todos os sentidos e a educação foi um desses tópicos de mudança. Com a tecnologia cada vez mais presente nas salas de aula, estamos vivendo uma grande revolução do ensino escolar. O próximo ano não será diferente! Cada vez mais, professores e alunos se sentem motivados a transformarem o ambiente escolar e construírem juntos uma parceria em sala de aula.

Separamos abaixo quatro tendências tecnológicas que vão permear o setor da educação para o ano de 2019:

 

1. STEM: quando falamos de habilidades socioemocionais, a metodologia do STEM (sigla para quatro áreas de conhecimento, que significam, em português, Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) foi uma das que mais se destacou no desenvolvimento destas competências nos alunos e trabalhar de forma inovadora diversas disciplinas. Por meio de atividades “mão na massa” e de baixo custo, o objetivo central é incentivar a solução de problemas do cotidiano que impactam a vida dos alunos, como medir a qualidade da água para compreender o impacto humano ou até mesmo utilizar o pensamento computacional para entender terremotos. Para os próximos anos, será cada vez mais necessário entender essa necessidade e incorporar no dia a dia da escola.

Um homem e uma criança trabalhando nas atividades de STEM durante a Bett Educar 2018

Lançamento dos planos de aulas de STEM no stand da Microsoft durante a Bett Educar 2018

2. Inteligência Artificial: Aplicada a casos mais reais e tangíveis, a IA, durante esse ano, despontou como grande facilitadora de processos, seja na área da saúde, automobilística como também da educação. Com o conceito mais desmistificado, conseguimos colher resultados positivos na sala de aula e isso só tende a aumentar. A Escola Bosque, nossa Showcase School, utilizou a IA por meio de um chatbot no Teams para tratar o assunto tão delicado do bullying. Já a Unip/Objetivo utilizou recursos da Cortana para trazer mais agilidade para suas vídeoaulas. A tendência é que para 2019 mais alunos tenham acesso a esse sistema inteligente e possam transformar sua aprendizagem.

 

3. Linguagem de programação: essa é uma das disciplinas que vem engajando mais alunos nos últimos anos. Por meio da robótica e das atividades de codificação, os estudantes são encorajados a desenvolver projetos com poder gigante de transformação. Esse ano, alunas do Colégio Paraíso, primeira escola-modelo Microsoft do Nordeste, construíram um robô para estimular a recuperação de crianças internadas para tratamento do câncer. Além disso, o mercado de trabalho para essa área oferece infinitas possibilidades. Segundo o estudo “The Network Skills in Latin America”, encomendado pela Cisco à IDC, faltarão 449 mil profissionais para preencher vagas abertas na área de TI no fim da década. E o Brasil tem a maior lacuna de habilidades em rede da região: somente em 2015, o país teve um déficit de 195 mil profissionais capacitados e empregados em tempo integral, um número que deve diminuir para 161 mil até 2019. A escola pode ser um grande incentivador nesse sentido, pensando no sucesso do estudante no mercado de trabalho depois que ele finalizar seus estudos.

Robô NAO, programado pelas alunas do Colégio Paraíso, interagindo com as crianças no Hospital São Vicente, em Juazeiro do Norte

Robô NAO, programado pelas alunas do Colégio Paraíso, interagindo com as crianças no Hospital São Vicente, em Juazeiro do Norte

4. Ensino personalizado: O ensino personalizado, otimizado e escalonado pela tecnologia, está desenvolvendo um papel crítico na mudança de um modelo educacional focado em cursos padronizados para um currículo com modelo centrado no aluno, customizado para necessidades individuais e com maior ênfase nas competências socioemocionais. Essa é uma das premissas que a pesquisa da sala de aula de 2030, desenvolvida pela Microsoft em parceria com McKinsey, apontou. A personalização está entre os meios mais eficazes de acelerar o crescimento acadêmico e cognitivo. O estudou ainda mostrou que os estudantes querem ser criativos e acreditam que aprendem mais quando eles têm maior voz e recebem feedback personalizado.

uma menia utilizando os óculos de realidade virtual

Modelo da sala de aula de 2030 apresentado na Bienal do Livro 2018

 

Continue acompanhando nosso blog para conferir as melhores práticas e ferramentas para a sala de aula em 2019!

Últimos posts